É bonito ter Amigos que não morrem!

1

Conheci o Zeca, de quem me tornei amigo de peito, em finais dos anos 60, em Paris, onde vivi uns anitos, graças ao inconfundível espírito europeísta/hitleriano, e nunca orgulhosamente só, do rabugento e santificado ditador Salazar.
Com o Zeca partilhei algumas inesquecíveis e enriquecedoras viagens na vida com enorme prazer, determinação e muita disponibilidade e entrega. O Zeca era assim. Nunca parava. O seu espírito, a sua poesia, a sua música e o seu exemplo são intemporais, universais e não se podem catalogar. Zeca foi, é e será um exemplo em qualquer lugar e em qualquer tempo deste mundo e continua a fazer parte da vida. O seu espírito, a sua poesia, a sua música e o seu exemplo são intemporais e universais. É uma saudável característica da eternidade dos grandes artistas.
Zeca Afonso foi perseguido, expulso da carreira docente, maltratado e preso pela desprezível, estuporada e hitleriana ditadura salazarenta, mas nuca desistiu, por que …era um inquebrantável defensor da “terra da fraternidade”, do “traz outro amigo” e da “cidade sem muros nem ameias…” e não só! Após o 25 de Abril/74, o Zeca já não se pertence e não tem mãos, nem pés, a medir para percorrer o Portugal que despertou para a Liberdade, tantas eram as solicitações que lhe eram dirigidas. Era espantoso e belo!
O Zeca tinha a música no sangue, o desejo da felicidade da humanidade no coração, o génio e a conquista da utopia na cabeça e a genica no corpo. Era um desassossegado contagioso com alguma boa malícia e humor sarcástico à mistura, e, como ele dizia: “Ó malta, isto já lá não vai só com cantigas”, e teve razão como se verificou no 25 de Abri de 74.
O Zeca era um homem bom e de coragem e de afectos, e, também, terno, solidário e falava sempre da esperança. A sua música, a sua postura e a sua vivência activa eram a síntese do seu desassossego e tornavam-se numa arma que metia, e ainda mete, medo a muita gente vampiresca, salazarenta e saudosista, e davam, e ainda dá, coragem a muita mais.
A amizade, a lealdade, a determinação, a solidariedade e a terra da fraternidade eram Ele. Foi um grande homem de acção cívica. Era um vulcão em constante erupção que espalhava lavas de solidariedade, de candura e de boa revolta, de vontades, de prazer de viver e da utopia e criava à sua volta como que uma ilha de afectos.
Pois é, Zeca, pregaste-nos uma partida ao teres partido tão cedo, com 58 anos, apesar de continuares carinhosamente entre nós, por que, como dizia J.P. Sartre “estar morto é ficar entregue aos vivos”. A vida não pára, nosso bom e querido Amigo, e às vezes sabe bem sermos beliscados pele memória e a Zecafonia faz bem! Margarite Yourcenar disse: “A memória da maior parte dos homens é um cemitério abandonado, onde jazem, sem honras, mortos que eles deixaram de amar”, o que não acontece com o Zeca, por que ele é o passado sempre presente, vigoroso e actual. A memória, às vezes, torna-se viva e ajuda-nos a reinventar a vida e a preparar o futuro, por que, como alguém disse, as vitórias do esquecimento são sempre derrotas da liberdade.
Lembrar-te e ouvir-te, Zeca, continua a tornar-nos “ filhos da madrugada”. Que bonito!
Por isso, meu enorme amigo, é imperiosos reviver as tuas andanças com emoção e saudade para que a memória se não apague, por que, como disse um amigo comum, só morreu o corpo do Zeca.

José Casimiro Ribeiro (Guimarães)

some_text

4 Comentários para “É bonito ter Amigos que não morrem!”

  1. O meu querido José Casimiro.
    Tantos anos sem saber novas do meu amigo e agora bate-me nas ventas com este texto tão bonito.
    A ver se nos encontramos por aí, e até lá um grande abraço.

  2. Adorei, não convivi com o “nosso” Zeca pessoalmente, mas sou sua fã desde os fados de Coimbra. Escuto avidamente tudo os que de perto lidaram com ele. Grata pela partilha.

  3. Salustiano Lopes

    O grande Casimiro a falar do grande Zeca, de quem só morreu o corpo…
    E o que fala, fá-lo bem e com propriedade.
    É verdade que já não nos vemos há séculos…
    Que é feito de ti? Espero que bem!
    Grande abraço

  4. Meu querido professor em Lourenço Marques, em 1965, andava eu no 5.º ano do Liceu António Enes… Quando a minha timidez e ansiedade me deixavam à procura de mim, sem a nada me integrar.
    Foi ele que, indiretamente me abriu os olhos e levou a ser quem hoje sou.
    Ele mostrou-me/nos uma realidade que nos era sonegada, apresentou autores, abriu o pensamento. E lecionava a cadeira de geografia…
    No exame final acudiu-me, quando a timidez e o nervoso miudinho me bloquearam a mente…
    Querido professor. Que saudades.
    Vale-me ouvi-lo de vez em quando nas músicas que criou e interpretou com alma e harmonia. Incontornáveis na história da música portuguesa e inesquecíveis a quantos o apreciam em todas as suas valências.

Deixe um comentário

Zeca (2)

QUEM SOMOS


disco

SER SÓCIO


LOJA


escritasdomaio

ESCOLAS


materiais

EXPOSIÇÕES

SUBSCREVER NOTÍCIAS


Categorias

Arquivo



RÁDIO AJA

Here is the Music Player. You need to installl flash player to show this cool thing!


© 2017 AJA. All Rights Reserved. Iniciar sessão - Designed by Gabfire Themes