Menina dos olhos tristes

Retirado do blog http://guitarradecoimbra.blogspot.com (Blog mantido por Octávio Sérgio, guitarrista de Coimbra que acompanhou inúmeras vezes José Afonso)


MENINA DOS OLHOS TRISTES
(versão fonográfica de José Afonso)

Música: José Manuel Cerqueira Afonso dos Santos, dito José Afonso (1929-1987)
Letra: Reinaldo Edgar de Azevedo e Silva Ferreira, dito Reinaldo Fereira ((1922-1959)
Incipit: Menina dos Olhos Tristes
Origem: Algarve (Faro)
Data: ca. 1962-1963

Menina dos Olhos Tristes,
O que tanto a faz chorar?
-O soldadinho não volta
Do outro lado do mar.

Senhora de olhos cansados,
Porque a fatiga o tear?
-O soldadinho não volta
Do outro lado do mar.

Hum-Hum-Hum; Hum-Hum-Hum-Hum
Hum-Hum-Hum; Hum-Hum-Hum-Hum

Vamos, senhor pensativo,
Olhe o cachimbo a apagar,
-O soldadinho não volta
Do outro lado do mar.

Anda bem triste um amigo,
Uma carta o fez chorar.
-O soldadinho não volta
Do outro lado do mar.

Hum-Hum, etc.

A Lua que é viajante,
É que nos pode informar
-O soldadinho não volta
Do outro lado do mar.

O soldadinho já volta,
Está quase mesmo a chegar.
Vem numa caixa de pinho.
Desta vez o soldadinho
Nunca mais se faz ao mar.

Hum-Hum, etc.

Cantam-se as quadras duas a duas, como se fossem oitavas, sem qualquer repetição de versos ou de dísticos. Remata-se cada grupo com um trauteio (Hum-Hum) que serve de coro, a duas vozes. Segue-se o mesmo esquema no grupo final, com a 5ª estrofe (quadra) e a 6ª que é uma quintilha.
Canção musical de tipo estrófico, ilustrativa do Movimento da Balada, em compasso 6/8 e tom de Mi Menor, de melodia muito sentimental, como que a ilustrar o choro dos mortos regressados das frentes de combate em Angola, Guiné e Moçambique durante a Guerra Colonial (1961-1974). A 6ª estrofe (“O soldadinho já volta”) enforma mesmo de alguma morbidez na vocalização de José Afonso. O coro adquire uma coloração funérea.
José Afonso gravou esta canção pela primeira vez em 1969, com um notável arranjo e acompanhamento de Rui Pato na viola nylon: EP “Menina dos Olhos Tristes”, Porto, Orfeu, STAT-803, ano de 1969. Remasterização no CD “José Afonso. De Capa e Batina”, Lisboa, Movieplay JA 8000, ano de 1996, Faixa nº 9. O livreto transcreve o poema, mas não exactamente como José Afonso o canta. José Afonso segue uma dicção escorreita, apenas adulterando no 2º verso da 3ª quadra “Olhe” para “Ólhó”, proeza notável num cantor que raramente respeitava a traça original dos textos alheios.
Esta canção surge primeiramente fonografada por Adriano Correia de Oliveira, acompanhado na viola nylon por Rui Pato, em 1964. Adriano não respeita a sequência das estrofes, adultera a quintilha final e segue um trauteio diferente do adoptado por José Afonso. Altera a ordem das coplas, cantando a 3ª como se fosse a 2ª. Consultado sobre estas discrepâncias, Rui Pato sugere que a versão Adriano se encontra mais próxima da composição primitiva. Postas as coisas nestes termos, admitimos que José Afonso tenha corrigido e aperfeiçoado a sua composição com vista a uma versão definitiva que é a de 1969, tal qual a transcrevemos. Importa anotar que entre 1960-1964 Adriano gravou diversas obras ainda em fase de elaboração (de José Afonso e de Machado Soares), cujas versões ultimadas divergem das açodadas incursões de Adriano. Exemplificam estas situações peças como Canção Vai e Vem (cf. diferenças com Balada da Esperança), Senhora Partem Tão tristes (cf. registo de Fernando Gomes Alves), ou até mesmo adulterações intencionais de obras de autor como a Canção dos Malmequeres (de António Menano), passada a Balada do Estudante. Como é sabido, José Afonso radicou-se em Moçambique nos finais de Setembro de 1964, e talvez por isso mesmo não tenha então gravado a canção de sua autoria, abrindo assim a porta à versão Adriano.
Transcrevemos seguidamente o texto cantado por Adriano Correia de Oliveira:
Menina dos olhos tristes,
O que tanto a faz chorar?
O soldainho não volta
Do outro lado do mar.
Hum-Hum-Hum; Hum-.Hum; Hum-Hum
Vamos, senhor pensativo,
Olhe o cachimbo a apagar.
O soldadinho não volta
Do outro lado do mar.
Hum-Hum, etc.
Senhora de olhos cansados
Porque a fatiga o tear?
O soldadinho não volta
Do outro lado do mar.
Hum-Hum, etc.
Anda bem triste um amigo,
Uma carta o fez chorar.
O soldadinho não volta
Do outro lado do mar.
Hum-Hum, etc.
A lua que é viajante,
É que nos pode informar.
O soldadinho “já volta”
“Está quase mesmo a chegar”.
Hum-Hum, etc.
“Vem numa caixa de pinho.
Nunca mais se faz ao mar.
Do outro lado do mar.
Desta vez o soldadinho
Nunca mais se faz ao mar”.
Hum-Hum, etc.
Coteje-se a letra interpretada por Adriano com a transcrição presente em Mário Correia, “Adriano Correia de Oliveira. Vida e Obra”, Coimbra, Centelha, 1987, pág. 103, pois na referida biografia consta apenas o poema integral original. Primeiro registo vinil presente no EP “Menina dos Olhos Tristes”, Porto, Orfeu, EP-ATEP 6275, ano de 1964, com arranjo e acompanhamento de Rui Pato na viola de cordas de nylon. Fez-se outra edição no LP “Adriano Correia de Oliveira”, LP-SB, ano de 1964; remasterização no duplo Lp vinil “Memória de Adriano Correia de Oliveira”, Porto, Orfeu/Riso e Ritmo Discos, ano de 1982, Disco 1, Face B, faixa 5. Na referida reedição constam as autorias correctas mas omitem-se o ano da gravação e o instrumentista. Remasterização compact disc na antologia “Adriano. Obra Completa”, Lisboa, Movieplay/Orfeu 35.003, ano de 1994 (CD “A Noite dos Poetas”, Orfeu 35.010, 1994, faixa 1), cuja coordenação esteva a cargo de José Niza. Neste caso omite-se a data da primeira gravação, mas identifica-se Rui Pato como instrumentista e arranjista.
Quanto ao autor da letra, Reinaldo Ferreira, ou melhor, Reinaldo Edgar de Azevedo e Silva Ferreira, nasceu em Barcelona pelos idos de 20 de Março de 1922. Veio a falecer de cancro pulmonar em Lourenço Marques, Moçambique, em 30 de Junho de 1959. Era filho do famoso jornalista e romancista policial “Repórter X”. Radicou-se em Lourenço Marques (Maputo) em 1941, cidade onde terminou os estudos liceais. Trabalhou como funcionário público e animador de programas radiofónicos na Rádio Clube de Moçambique. Adoeceu em 1958 e após tentativa infrutífera de tratamente na África do Sul, faleceu em 1959. Era de sua autoria o delicioso e muito conservador texto “Uma casa portuguesa”, gravado em disco por Amália Rodrigues. Autor de poemas belíssimos, a obra de Ferreira, “Poemas”, foi editada em 1960 na cidade de Lourenço Marques, em 1962 na Portugália (com prefácio de José Régio) e em 1998 na Vega. Ignoramos em que data Ferreira compôs a sua linda e triste Menina, sendo de aceitar que tivesse por horizonte a Segunda Guerra Mundial (1939-1945) mas nunca a Guerra Colonial que não chegou a conhecer. Também não sabemos quando e em que circunstâncias José Afonso acedeu ao poema. Pode ter conhecido uma versão em manuscrito ou de página de jornal nas suas idas a Moçambique em 1949 (Orfeon), 1956 (TAUC), 1958 (TAUC a Angola) e 1960 (Orfeon a Angola). O mais certo é que tenha adquirido a edição lisboeta de 1962, ligada ao nome de José Régio. A Guerra Colonial tinha rebentado no ano anterior em Luanda (04/02/1961) e estava na memória a Operação Dulcineia (assalto ao Santa Maria, 21/01/1961).
Esta canção de José Afonso não mereceu qualquer trabalho de regravação após 1974 junto das vozes juvenis e respectivas formações activas em Coimbra. Eis um José Afonso timidamente recuperado e ternamente “perdoado” pelas alas conservantistas da CC, o mesmo não se podendo afirmar quanto à herança de Adriano. Aí a música é outra…
Para saber mais sobre o poeta Reinaldo Ferreira consulte htt://alfarrabio.um.geira.pt/reinaldo/index.html

Transcrição musical de Octávio Sérgio; pesquisa documental e texto de António M. Nunes

some_text

Deixe um comentário

Agosto  2014
STQQSSD
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930
31

Ser Sócio

Zeca (2)

Descubra aqui como ser sócio da AJA.


Visite a Loja

Encomende aqui discos, livros, postais, etc.


Escolas

escritasdomaio

Actividades e materiais para escolas.


Exposições

materiais

Saiba mais sobre as exposições itinerantes.

SUBSCREVER NOTÍCIAS


Categorias

Arquivo

 

Here is the Music Player. You need to installl flash player to show this cool thing!



© 2014 AJA. All Rights Reserved. Iniciar sessão - Designed by Gabfire Themes